Planos de ação

Educa-se os filhos para que cresçam em valores e adquiram virtudes. Por mais que se desenvolva a inteligência deles, não se adquire uma virtude até que não se repitam atos positivos que correspondam a essa virtude (os vícios ocorrem pela repetição de atos ruins). Para elaborar um plano de ação efetivo há que conhecer bem cada filho.

O que é um Plano de Ação?
É a estratégia utilizada pelos pais para motivar um filho a executar atos que o levarão a desenvolver uma virtude.

1) Planos de Ação para o Passado: surgem como consequência de uma ação mal feita ou um mal comportamento. Os pais atuam como consequência de um fato que já ocorreu. Podem ter diferentes enfoques: evitar brigas entre irmãos; tornar-se obediente ou ordenado, estudar, potenciar uma capacidade baixa, corrigir um mal costume, melhorar uma situação (por exemplo, mudar de amigos), etc.

2) Planos de Ação para o Presente: são realizados para melhorar o cumprimento de algumas normas, costumes ou encargos estabelecidos ou que se estabelecem com a finalidade de facilitar uma boa convivência e estimular as virtudes da família cada dia: pontualidade nas refeições, distribuição das tarefas do lar entre todos os membros da família, etc.

3) Planos de Ação para o Futuro: surgem como consequência de um ato premeditado ou pensado pelos pais, sem que tenha havido nenhuma causa ou incidente que o tenha provocado. Chamam-se “Planos de Ação para o Futuro” porque com eles pretende adiantar-se para ajudar os filhos a que cheguem a ser o que se espera deles: pessoas  livres e responsáveis, potencializando os pontos fortes, lapidando os pontos fracos, prevendo perigos (drogas, amizades ruins, sexualidade), etc.

Partes de um Plano de Ação:
SITUAÇÃO: descrição da situação que deve ser corrigida;
OBJETIVO: hábito ou virtude a ser alcançada;
MEIOS: recursos a serem empregados para alcançar o objetivo;
MOTIVAÇÃO: argumentos que motivarão o filho/a a colocar em prática o Plano de Ação;
HISTÓRIA: como se desenvolveu no tempo os meios ou recursos colocados em prática;
RESULTADOS: conclusões sobre as metas alcançadas.

Seguem, a título de sugestão, algumas ações utilizadas em Planos de Ação por diferentes famílias, e citadas no livro “100 Planes de Acción”, de Fernando Corominas, Colección Hacer Família, Madri, Espanha.

Cabe a cada família adotar um ou dois que julgue mais oportuno, ou nenhum dele, dado o conhecimento que possuem de cada filho, e acompanhar como a criança vai superando o aspecto a ser corrigido.

AMIZADE

Falar sobre a importância de ter e eleger bons amigos. Animá-lo a convidar os amigos para vir em casa (será uma oportunidade para os pais conhecerem os amigos dos filhos). Participar de jogos coletivos, mesmo que não goste muito.

ANSIEDADE

A mãe conversará com a filha (o pai com o filho) para escutá-la e averiguar o que produz a ansiedade nela. Anotará em um pequeno diário as ocasiões em que nota na filha sinais de ansiedade. Falar com frequência com a tutora escolar da menina para se colocarem de acordo num Plano de Ação. Verificar se outras meninas a intimidam. Ensinar à filha algumas técnicas de relaxamento quando lhe dói o estômago ou sente enjoo por causa da ansiedade, sem dar muito importância a isso, animando-a a ir à escola, caso deseje faltar. Contar para a menina que quando era criança alguém que ela conheça, também sentia-se mal. Elogiar cada pequeno progresso da menina, principalmente em coisas que ela se destaca (desenho, canto, redação). Evitar que algum dos pais sejam perfeccionistas e exigentes para que filha tire importância de suas próprias falhas.

ATENÇÃO

Menos televisão e aparelhos digitais de segunda a sexta-feira. Substituir os aparelhos digitais no fim de semana por jogos de mesa, esporte, quebra-cabeça.

AUTOESTIMA

Dar maior responsabilidade, porém encargo fácil de realizar, e estar mais pendente do filho: atender o telefone, ordenar os brinquedos do irmão menor, regar as plantas, ajudar a dobrar as roupas. -Pedir a ajuda da criança nas disciplinas que lhe sai bem para ajudar outra criança (irmão, primo, amigo. Se a autoestima está falha por causa do peso, dizer que irão ao médico para ele dar um plano de emagrecimento. Todas as noites ter um momento de conversa com a criança para falar de muitas coisas. Brincar de cada um escrever uma lista das coisas boas dos outro. Colocar em ordem o seu próprio qurto: roupa, cama, armário, material de estudo.

AUTORIDADE DOS PAIS

Explicar à criança, de acordo com o seu nível, o conceito de Autoridade-Serviço. Não gritar, mas educar posiivamente. Exigir, com autoridade, obediência em poucas coisas, porém, as mais importantes. Motivar para que obedeçam na primeira indicação. Elogiar o esforço da criança cada vez que obedeça na primeira indicação.

CORTESÍA

Pedir as coisas com um “por favor”. Não entrar no quarto de alguém sem antes bater na porta. Não falar palavrões ou palavras grosseiras (pode-se fazer isso como um jogo de ganhar e perder pontos). Manter em ordem os objetos pessoais como respeito aos demais.

CULTURA

Desde pequenos, fomentar a boa música: Sinfonia dos jogos, de Mozart; Pedro e o lobo, de Saint Saens; Carnaval dos animais, de Saint Saens

ENCARGOS

Jogar a fralda descartável no lixo (crianças de 1 ano e meio). Enxugar o banheiro. Colocar e retirar a mesa. Regar as plantas. Dar comida ao cachorro e gato e limpar a sujeira que fazem. No final dos jogos e brincadeiras, deixar em ordem o local. Limpar as vidraças.

ESTUDOS

Conseguir um clima de estudo em casa. Ter um tempo de estudo fixo durante a semana, inclusive aos sábados. Promover a ajuda mútua, acompanhar mais de perto seus estudos e rever a lição da criança. Fazer as tarefas escolares depois de comer. Limitar o uso da televisão (não vê-la antes de estudar). Ter um lugar fixo que favoreça a concentração, e evitar na casa ruídos de tv, etc. Ter uma mesa para estudar com iluminação adequada (mesa e cadeiras baixas se a criança for pequena)

FORTALEZA

Não abrir a geladeira fora de hora, ainda que tenham fome. Manter silêncio durante as horas de estudo. Acostumar-se a fazer algum sacrifício pelos demais. Nos passeios e excursões não se queixar. Praticar esporte. Comer o que servem na mesa sem protestar. Evitar caprichos nas refeições. Dormir e acordar no horário.

GENEROSIDADE

Fazer compreender que ser generoso dá alegria. Ajudar o irmão menor: trocar fraldas, dar comida até que aprenda a fazer sozinho. Emprestar jogos e brinquedos aos irmãos.

INSEGURANÇA

Ajudar a tomar decisões. Buscar alternativas ao valorar as vantagens e inconvenientes de cada alternativa. Ensinar a assumir as consequências de suas decisões (se decidiu ir ao shopping e não ao parque, e lá no shopping quer mudar de plano, não aceitar).

INTELIGÊNCIA

Potenciar a inteligência evitando a passividade de ficar diante da tv e tabletes. Substituir os desenhos animados às tardes do meio da semana por jogos de mesa, de adivinhar, de memorizar; montar quebra-cabeça, xadrez, damas, jogo de perguntas. Acostumar-se a ouvir música clássica bem escolhida para cada idade. Falar mais com as crianças, e pronunciar corretamente as palavras para elas aprenderem bem. Na rua, ensinar os nomes das coisas. À noite, ler contos para os pequenos.

LABORIOSIDADE

Ter horários para cumprir os encargos familiares. Dar encargos para cada filho ou filha, desde o mais pequeno até o mais velho (tarefas adequadas para cada idade).

LEALDADE

Não criticar. Não falar mal dos outros. Não mentir. Ver os aspectos positivos das pessoas.

LEITURA

Programar um filme e ler antes a sinopse. Ler o livro antes de alugar o filme, por ex: Mary popins, Harry Potter e a pedra filosofal, etc. Dar motivos para ganhar o gosto pela leitura: porque aprenderão muito com os livros; porque ganharão riqueza de vocabulário; porque melhorarão sua capacidade expressiva. Nos aniversários e festas presentear com livros. Uma vez por semana toda a família fixará um “Tempo de Leitura” durante o qual todos, pais e filhos, juntos, se dedicarão a ler. Na tertúlia ou bate-papo familiar dos sábados e domingos, criar o costume falar do que cada um está lendo e dar oportunidade a todos falem o que vem achando mais interessante no livro que está lendo. Os pais devem demonstrar especial interesse em ler também os livros que o colégio manda ou aconselha seus filhos a ler, desta forma facilitarão os colóquios das tertúlias. Associar-se a uma biblioteca pública e ir com frequência deixar e retirar livros.

ORDEM

Dormir e acordar no horário. Ao chegar da escola, deixar a mochila no lugar certo. Guardar cada tipo de brinquedo em caixa própria, sem misturar. Arrumar a cama. Colocar as roupas na gaveta e cabide. Ter horário de acordar, banhar-se, comer, brincar, ouvir boa música, fazer os encargos famíliares.

RESPONSABILIDADE

Fixar um horário determinado para cumprir o encargo. Explicar que precisam da ajuda da criança. Anotar num papel o nome de cada filho e o seu encargo e a hora de realizá-lo. Dar pontos por cada encargo realizado: 2 pontos se não foi preciso lembrá-lo; 1 ponto se foi preciso lembrar a criança( ao atingir 25 pontos, participar com a criança da diversão favorita dela; uma sobremesa que ela gosta). Recolher o lixo (ao chegar do colégio antes das 18:30). Preparar as camas antes de jantar.

SOBRIEDADE

Não retirar nada da geladeira fora das horas de refeição. Do dinheiro que manejam os filhos, economizar uma parte para entregá-lo aos que necessitam mais. Cuidar da roupa para que dure mais. Não ter muita roupa para esporte.

SOCIABILIDADE

Compartilhar seu tempo livre com outras pessoas. Aproveitar um hobby da criança e apresentar a um grupo de que tem o mesmo gosto.

SOLIDARIEDADE

Visitar comunidades pobres (que ofereçam segurança) e doar algum dos brinquedos pessoais. Visitar asilos, casas de repouso e levar um bolo;-Visitar enfermos em hospitais. Ajudar os amigos com dificuldade em alguma matéria escolar.